9.9.11

Reinvenção de Mim



Comprei um chapéu negro

para não ter que mudar o meu nome

Agora levo em minha cabeça

um símbolo que me autoriza

a atravessar as paredes invisíveis

do meu inconsciente


Subo por escadas com jiboias brancas

e mergulho no oceano violeta

pleno de janelas abertas

de onde observo terras benditas

feitas de torneiras pingando lagartas

Dou braçadas nesse mar

e sinto que sou invadido

por todos os orifícios do meu corpo


Dentro de mim moram casulos

de onde nascem mariposas

6 comentários:

Café Ocidental disse...

Belíssimo, Marcelo! Parabéns.

Jocê Rodrigues

Café Ocidental disse...

Belíssimo, marcelo! Parabéns.

Anônimo disse...

SUA FÃ NUMERO DOIS.
ACHO SURPREENDENTE TUDO QUE VOCÊ FAZ. VOCÊ ME ENCANTA.

cervejaerua disse...

Querido Marcelo
Muito bom!!!
obrigado ...

Laura Fuentes disse...

Dentro de mim moram casulos/ de onde nascem mariposas......e brota muita poesia de qualidade. Parabéns pelo novo sitio, gostei do formato. Beijão

Rita Roquette de Vasconcellos disse...

Olá Marcelo
Parabéns pelo seu trabalho
Pode dizer-me de quem é esta foto ?
Abraço


Imagem: Philip Guston